HomeRevistaResumos de TesesÉ preciso haver feministas? O estudo do movimento feminista nas aulas de História e Geografia de Portugal como estratégia de promoção para a Cidadania Global

 

Arquivo

Categorias principais

É preciso haver feministas? O estudo do movimento feminista nas aulas de História e Geografia de Portugal como estratégia de promoção para a Cidadania Global

Título da tese: É preciso haver feministas? O estudo do movimento feminista nas aulas de História e Geografia de Portugal como estratégia de promoção para a Cidadania Global

Autora: Ana Paula Abreu Barbosa

Orientadora: Sónia Catarina da Silva Cruz

Natureza do estudo: Relatório Final de Prática de Ensino Supervisionada - Mestrado em Ensino 1.º e 2.º CEB  - Português e História e Geografia de Portugal

Instituição: Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo

Ano: 2019

Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11960/2319

 

Resumo:

O presente relatório condensa o percurso pedagógico efetuado no decorrer da intervenção em contexto educativo no ano letivo de 2018/2019. Nele se apresentam as sequências didáticas implementadas nas diferentes áreas curriculares, os materiais pedagógicos desenvolvidos, o envolvimento na comunidade educativa e apresenta-se o estudo desenvolvido no âmbito da temática relacionada com as conquistas feministas. Começamos por realizar o enquadramento das duas intervenções em contexto pedagógico realizadas, uma no 1º CEB e outra no 2º CEB, mas também, apresentamos o estudo realizado na disciplina de História e Geografia de Portugal (HGP), no 6º ano de escolaridade, no âmbito da Educação para o Desenvolvimento. Desta forma, e tendo presente como missão do professor, em particular do professor de HGP, a necessidade de formar os jovens para o respeito pelos Direitos Humanos e para a solidariedade, optamos por centrar o nosso estudo numa temática muito particular da Educação para a Cidadania Global: a conquista da igualdade através das lutas feministas. Assim, partindo da comparação da Constituição de 1933 com a Constituição de 1976, no que respeita ao entendimento do papel da mulher na sociedade, desenvolvemos um estudo que teve como propósito conhecer as ideias que os alunos do 6º ano de escolaridade apresentavam relativamente à problemática. Era nossa intenção promover o debate sobre o tema e pensar, em conjunto, as soluções ao alcance de todos para minimizar a desigualdade social, nomeadamente, a desigualdade social estabelecida pelo sexo. Neste contexto, a investigação contou com a participação de 19 alunos, tendo-se optado por um paradigma de investigação qualitativo, com algum tratamento quantitativo. Como técnicas de recolha de dados recorremos à observação direta, ao inquérito por questionário e à análise documental. Pelos resultados obtidos, foi-nos possível concluir que se reveste de sentido pedagógico integrar a Educação para a Cidadania Global, em temas como o Feminismo, nas aprendizagens de História e Geografia de Portugal. Os alunos demonstraram uma evolução positiva ao estabelecer a comparação entre as ideias pré-concebidas e as ideias resultantes após a mudança concetual conseguida através da implementação de uma sequência didática bem estruturada. Concluímos o trabalho com uma reflexão global sobre o caminho e os desafios alcançados que nos permitiu crescer profissionalmente.

Palavras-chave: Feminismo; Educação para a Cidadania Global; História e Geografia de Portugal; Direitos Humanos.

 

Abstract:

This report condenses the pedagogical path taken during the intervention in the educational context in the 2018/2019 school year. It presents the didactic sequences implemented in the different curricular areas, the pedagogical materials developed, the involvement in the educational community and the study developed within the theme related to feminist achievements. We begin by framing the two interventions in the pedagogical context, one in the 1st CEB and another in the 2nd CEB, but also, we present the study conducted in the discipline of History and Geography of Portugal (HGP), in the 6th grade, in the context of Education for the Development. Thus, and bearing in mind the mission of the teacher, particularly the HGP teacher, the need to train young people to respect human rights and solidarity, we chose to focus our study on a very particular theme of Global Citizenship Education: the achievement of equality through feminist struggles. Thus, starting from the comparison of the Constitution of 1933 with the Constitution of 1976, regarding the understanding of the role of women in society, we developed a study that aimed to know the ideas that the students of the 6th grade presented about the problem. It was our intention to promote the debate on the subject and to think together about solutions available to all to minimize social inequality, namely the social inequality established by sex. In this context, the research had the participation of 19 students, having opted for a qualitative research paradigm, with some quantitative treatment. As data collection techniques we resorted to direct observation, questionnaire inquiry and document analysis. From the results obtained, it was possible to conclude that it is of pedagogical sense to integrate Global Citizenship Education, in themes such as Feminism, in the learning of History and Geography of Portugal. Students demonstrated a positive evolution by comparing preconceived ideas with resulting ideas after conceptual change achieved through the implementation of a well-structured teaching sequence. We conclude the work with a global reflection on the path and challenges achieved that allowed us to grow professionally.

Keywords: Feminism; Global Citizenship Education; History and Geography of Portugal; Human Rights.